30 reales con 90 centavos

em 12x 3 reales con 15 centavos

Envio para todo o país  

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Estoque disponível

Garantia

Garantia da loja

Garantia de fábrica: 3 meses

Características principais

MarcaManioca
LinhaMolhos
Tipo de produtoMolho
É salsaNão
Unidades por embalagem1
Formato de vendaUnidade
Unidades por kit1
Volume da unidade150 mL
Peso da unidade280 g
Tipo de embalagemFrasco

Outros

  • Ingrediente em destaque: Pimenta Cumari

  • Conservação do produto: Temperatura ambiente

  • É livre de glúten: Sim

  • É livre de gorduras trans: Sim

  • É vegano: Sim

  • É produto dietético: Não

Descrição

É um tempero inovador que substitui o shoyu ou molho inglês com até 96% menos sódio. É 100% natural, além de apresentar de uma maneira muito simples um dos maiores tesouros gastronômicos da Amazônia, o Tucupi Preto, alimento rico em umami. Pode ser consumido em saladas, carnes e até em drinks e sobremesas.

O molho de tucupi preto é um subproduto do tucupi tradicional. O tucupi tradicional é um caldo amarelo extraído da mandioca brava e que passa por um processo de fermentação natural, sendo muito consumido na Amazônia. Já o tucupi preto, é o caldo do tucupi (não temperado) reduzido por dias e que perde a coloração amarela e adquire uma coloração escura. Assim é feito o tucupi preto concentrado, um produto 100% natural, de sabor intenso, consistência densa e rico em Umami. Somente após a adição de água que o molho de tucupi preto é feito. No entanto, esse molho ainda é um produto pouco conhecido, mesmo pelas pessoas do região norte.



História: Joanna Martins faz parte de uma família tradicional de Belém-PA que contribuiu de forma significativa para a divulgação da gastronomia paraense. Sendo uma das sócias da empresa Manioca, ela sempre está em busca de conhecimentos sobre os ingredientes da Amazônia. Através de muita pesquisa de relatos de viajantes históricos, ela encontrou referências sobre o tucupi preto e seu sabor diferenciado, até então, conhecido somente pelos indígenas, que o usavam como um importante conservante de carnes de caça e peixes, passando a receita de geração em geração. No entanto, em 2015, Joanna encontrou uma pessoa que conhecia o processo de fabricação desse tucupi, firmando uma parceria de sucesso. A partir de então, essa pessoa continuou a produzir e fornecer o tucupi preto concentrado, enquanto o Manioca ficou responsável por produzir o molho. Portanto, esse produto é fruto de conhecimento tradicional indígena e de muita pesquisa de uma empreendedora paraense.



Origem: Belém-PA



Composição: Água, caldo da mandioca mandioca brava (tucupi) e sal.